quarta-feira, janeiro 03, 2007

DOIS ANOS DEPOIS



















































































Nate Berkus




Princesa Ubolratana



Mikaela


Dia 26 de Dezembro completaram-se dois anos que aconteceu o Tsunami que devastou a costa do Índico e vitimou centenas de milhares de pessoas.

Um desastre desta dimensão, decerto jamais será esquecido. Nem a distância nem o tempo tornam menos presente a memória dos dramas e dos milagres que então aconteceram e que hoje faço questão de vir aqui recordar.

Dramas e milagres que têm rostos.

Rostos dos que desapareceram, mas também dos que sobreviveram, carregando consigo a memória de uma experiência pessoal terrível e em muitos casos de uma saudade arrasadora dos que então partiram.

Milagres como o da pequena Micaela de 5 anos, que sem saber nadar consegui manter-se à tona da água, enquanto a sua mãe desaparecia engolida por uma vaga gigantesca.

Dramas como o da princesa real tailandesa que viu o seu filho a ser tragado pelas águas enquanto salvava o filho de um turista americano de ter a mesma sorte.

Dramas e milagres que produziram cadeias de solidariedade internacional, provocadas tanto pela comoção universal que este acontecimento originou, como por tragédias pessoais, como a da estrela da televisão americana Nate Berkus que com o seu parceiro, o fotografo Fernando Bengoechea, conseguiu superar a primeira vaga, mas que viu depois o seu companheiro desaparecer no turbilhão do segundo avanço da maré.

Para milhões de pessoas, nada mais voltará a ser como dantes.

Para milhões de pessoas, a alegria de um momento, transformou-se em horror segundos depois.

Pessoas como nós, desaparecidos e sobreviventes de uma tragédia que hoje completa dois anos nas nossas memórias

2 comentários:

  1. Diz_traído6:33 da tarde

    "Dramas e milagres que produziram cadeias de solidariedade...". Uma solidariedade que terá atingido picos de quase incredualidade, como a daquela federação de futebol que resolveu agraciar uma criança sobrevivente com uma casa e mobiliário apenas porque trazia vestida uma camisola da selecção quando foi encontrada .... ou o facto de dois anos volvidos mais de dois terços dos desajolados continuarem sem casa e mais de metade dos donativos ainda não terem sido aplicados. por oposição, dois anos volvidos todas as estâncias turísticas então afectadas já estão perfeitamente operacionais. Parece que volvidos dois anos o drama para muitos ainda continua!....

    ResponderEliminar
  2. e deste cinsimo atroz que confesso ter medo, atras desta velada solidariedade esta sempre algo malefico que depois ,passaaa praia mar, se esbroa num ondulante mar calmo....os tentaculos do poder tratam de esbater toda essa corrente e de uma forma velada ou nao, impoe as suas regras sejam economicas ou politicas, aqui o caso foi restablecer toda a expansao tursitica dizimada pelo tsunami......e o resto vira com o tempo...enfim...reflexos de uma sociedade que nao se preocupa com o saco plastico que nao apodrece....

    ResponderEliminar